Notícias

Escolas preparam a maior alta de mensalidade desde início da covid


Brasil Net

Mais da metade das escolas de ensino fundamental e médio planejam aumentar as mensalidades em cinco estados

Foto: Ilustrativa
Negociar é a saída para compatibilizar a queda no poder de compra das famílias

Após um longo período de colégios fechados, com o valor das mensalidades sem alteração ou com reajustes modestos, o próximo ano deve começar com uma herança pesada da inflação de 2021 para o orçamento das famílias com filhos na escola. Mais da metade (53%) das escolas de ensino fundamental e médio planejam aumentar as mensalidades e as matrículas do ano que vem entre 7% e 10%, aponta pesquisa com 65 estabelecimentos em cinco Estados da consultoria Meira Fernandes, especializada em educação.

Com a inflação esperada para 2021 em 10,12%, segundo o Boletim Focus do BC, a expectativa de escolas e outros prestadores de serviços é incorporar aumentos de despesas de 2021 nos preços de 2022.

Além disso, as escolas terão de ampliar os quadros de pessoal para cumprir a nova grade curricular do ensino médio prevista para 2022, que aumentou o número de disciplinas e a carga horária. Nas contas do consultor, os aumentos de custos das escolas hoje, no geral, variam entre 15% e 20%.

Negociar é a saída para compatibilizar a queda no poder de compra das famílias com a pressão de custos das escolas. Com a pandemia, a evasão chegou a 15%. Com temor de perder alunos, as escolas estariam mais flexíveis. A pesquisa mostra que quase 25% das escolas pretendem reajustar as mensalidades em até 7%, índice inferior à inflação projetada para o ano.

CN INSTITUCIONAL


Fonte: Redação CN Notícias, com informações do Estadão Conteúdo