Notícias

Estelionatário é desmascarado por vítima e leva troco


Brasil Net

Golpista não teve sucesso ao tentar aplicar golpe do Whatsapp

Foto: Twitter/ Reprodução
O estelionatário tentou aplicar um famoso no golpe do Whatsapp

Um estelionatário tentou aplicar o famoso golpe do Whatsapp, em que acessa a conta de outra pessoa para pedir dinheiro emprestado a amigos dela, mas foi desmascarado pela vítima e levou o troco.

Tudo começou quando o advogado Renato Pontes, na última terça-feira (28), recebeu uma ligação de uma amigo que tentava avisar que seu Whatsapp havia sido invadido, mas não pôde atender. Renato mandou uma mensagem perguntando se o amigo poderia adiantar o assunto por ali mesmo. No entanto, quem respondeu foi o próprio golpista, já solicitando a transferência de R$ 980.

O pedido não causou estranheza, já que Renato havia feito uma transferência de R$ 1500 ao amigo, dias atrás. O que gerou a suspeita foi a forma de escrever:

— Eu achei estranho porque meu amigo nunca me chama pelo nome, só por apelido. Além disso, ele é professor. Desconfiei porque ele não separou o vocativo com vírgula.

O advogado decidiu retornar a ligação e confirmou que estavam tentando aplicar um golpe em ambos. Foi então que surgiu a ideia de descobrir informações do golpista para tentar recuperar a conta.

Ele mandou uma foto da tela o celular, com o aplicativo do banco aberto, pronto para fazer a transferência. Para impelir o estelionatário a fornecer informações como nome completo e CPF, disse que iria entrar em uma reunião em alguns minutos e que precisava dos dados com urgência. Caso contrário, não poderia fazer o crédito naquela hora.

— Fui convencendo que eles conseguiriam a transferência e consegui pegar dados de uma laranja, para quem o dinheiro seria depositado. Mandei uma mensagem para ela com o mesmo texto que tinham me mandado para saber que já tínhamos descoberto tudo. Depois liguei e falei com sua mãe. Em 30 minutos, o Whatsapp foi recuperado. Por isso, acho que também estava envolvida na operação — analisa.

Renato fez boletim de ocorrência na Polícia Civil do Rio Grande do Norte, onde mora, e afirma que irá acompanhar as investigações. Segundo ele, depois de compartilhar o relato no twitter, mais de 20 pessoas procuraram-no para contar que passaram por golpes semelhantes.

CN INSTITUCIONAL


Fonte: *Redação Cornélio Notícias, com informações do Portal EXTRA
Novidades Faccrei