Notícias

Clínicas privadas se preparam para começar vacinação


Brasil Net

A AstraZeneca já negocia com o setor privado, que deve apostar em ampliar a 4ª dose para público não elegível no SUS

Foto: Ilustrativa
A estratégia inicial deve ser focar na ampliação do acesso à quarta dose

Em 22 de maio, termina o estado de emergência em saúde pública da Covid-19 no país. Com isso, o setor de clínicas privadas já se prepara para disponibilizar vacinas contra o coronavírus.

A estratégia inicial deve ser focar na ampliação do acesso à quarta dose, considerando que, atualmente, essa aplicação no Sistema Único de Saúde (SUS) está restrita a idosos e imunossuprimidos.

O presidente da Associação Brasileira de Clínicas de Vacinas (ABCVac), Geraldo Barbosa, explica que a disponibilização de antígenos da Covid-19 pelo setor privado vai funcionar de forma semelhante à vacinação contra a gripe, em que as clínicas particulares oferecem os imunizantes de maneira complementar, justamente para os grupos não abrangidos pelo setor público.

“Hoje, na vacinação da gripe, o mercado entra como um complemento àquilo que é oferecido no setor público. Em algum momento, vai acontecer a mesma coisa com a vacina da Covid. Atualmente, nem todo mundo é elegível para a quarta dose, por exemplo. Depois, a vacina da Covid não deve ser mais elegível para todo mundo como é hoje, sem nenhuma restrição, e aí vai haver a migração para o setor privado”, explica.

A única marca que se mostrou disposta até agora a vender para o mercado privado é a AstraZeneca. A vacina oferecida pela companhia será a mesma utilizada no Programa Nacional de Imunização (PNI), porém as doses não virão por intermédio da Fiocruz, e sim da Alemanha.

Em nota, a AstraZeneca informou que possui “negociações avançadas com empresas do setor privado” e ressaltou que “as primeiras doses devem ser entregues às instituições ainda em maio”.

As aplicações devem custar entre R$ 200 e R$ 300, mas o preço e o início da oferta ao público serão definidos por cada clínica.

A aquisição de vacinas da Covid-19 por empresas foi regulamentada pela Lei nº 14.125/2021 – o ato normativo fixou que o setor privado só poderia comprar os imunizantes se os aplicasse de maneira gratuita e desde que doassem ao menos 50% das doses ao SUS.

Com essas condicionantes, as empresas não se interessaram pela compra. Entretanto, esta lei só perdura enquanto durar o estado de emergência de saúde pública da Covid no Brasil.

Em abril, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou que, a partir de 22 de maio, a pandemia estaria encerrada no país. Com isso, as empresas poderão comprar doses e aplicá-las mediante cobrança.

As clínicas e a AstraZeneca começaram a negociar em abril. O presidente da ABCVac afirma, sem citar nomes, que já há notícias de empresas que fecharam a compra de doses. Entretanto, acredita que deve haver movimentação maior nesse sentido a partir de junho, quando a associação vai realizar um congresso que permitirá divulgação mais ampla dessa possibilidade.

Barbosa explica, porém, que ainda faltam diretrizes mais exatas de como as clínicas deverão proceder – o que deve vir após 22 de maio.

“Até este momento, a gente ainda não sabe como essas doses poderão ser ministradas, mas elas já têm bula. Inicialmente, serão ministradas conforme bula e indicação médica, mas, provavelmente, a Sociedade Brasileira de Imunização (SBIm) e outros órgãos devem soltar alguma orientação”, assinala.

Metrópoles

CN INSTITUCIONAL


Fonte: Redação CN Notícias, com informações do Portal Metrópoles
FACCREI - VESTIBULAR DE VERÃO 2022