Notícias

Inaugurado centro para receber e atender animais silvestres em Londrina


Brasil Net

O primeiro CAFS inaugurado oficialmente é uma parceria da Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo com a UniFil

Foto: SEDEST/IAT
O local presta auxílio no atendimento a animais silvestres vítimas maus-tratos

O Hospital Veterinário do Centro Universitário Filadélfia (UniFil), em Londrina, região Norte do Paraná, agora é um Centro de Apoio à Fauna Silvestre (CAFS). É a primeira unidade oficialmente inaugurada pela Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo. Mais nove estão previstas. A solenidade foi na sexta-feira (16). O local tem parceria com o Instituto Água e Terra (IAT) e presta apoio no recebimento de animais silvestres vítimas de atropelamento, maus-tratos, comércio ilegal, tráfico e cativeiro irregular, que precisam de atendimento veterinário.

O secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes, disse que o Paraná é o único Estado a firmar esse tipo de parceria com a iniciativa privada para atendimento à fauna.  “Aqui a estrutura é fantástica. Merece esse reconhecimento e apoio do Estado para continuar atendendo e preservando a nossa fauna”, disse Márcio Nunes. O secretário ressalta que a preservação da fauna silvestre é um dos focos das políticas públicas do Paraná na área do meio ambiente.

O hospital veterinário da Unifil executa esse trabalho voluntariamente há sete anos e agora passa a contar com o apoio financeiro do Governo do Estado. “Realizávamos esse trabalho de forma voluntária, mas os custos são altos porque mantemos qualidade no atendimento. Com o reconhecimento do Estado, firmamos um convênio e hoje fomos outorgados como CAFS”, explicou o reitor da UniFil, Eleazar Ferreira.

Atualmente o hospital possui 55 animais internados: 3 araras canindé, 5 papagaios, 1 jacu, 1 faisão, 4 maracanãs, 11 saguis, 4 cobras, 1 macaco prego, 2 quatis, 2 cachorros do mato, 1 coruja buraqueira, 1 coruja do mato, 2 quero-queros, 3 suindaras, 1 carcará, 1 pássaro preto, 5 trincas ferros, 2 tico-ticos, 1 sabiá, 1 canário da terra, 1 tamanduá bandeira filhote, 1 ouriço pigmeu africano (hedeghog) e 1 onça parda.

Depois do atendimento na UniFil, o IAT realiza a destinação adequada dos animais, seja de volta à natureza ou para empreendimentos de fauna, licenciadas pelo órgão. “Esses animais, vítimas de crimes ambientais, terão grande suporte dentro da UniFil, que possui equipe competente e recursos de primeira mão, no qual aumenta as chances de poder voltar ao seu habitat natural”, diz o diretor-presidente do IAT, Everton Souza.

CN INSTITUCIONAL


Fonte: Redação CN Notícias, com informações da Agência Estadual de Notícias