Notícias

Decreto em Cornélio Procópio manda para o fim da fila pessoas que se recusarem a tomar vacina


Brasil Net

O cidadão que não quiser se imunizar por causa da marca só poderá receber a dose após os jovens com mais de 18 anos serem vacinados

Foto: Ilustrativa
A determinação começou a valer na quinta-feira (15)

Entrou em vigor o decreto da prefeitura de Cornélio Procópio que determina que o morador que se recusar a tomar a vacina contra a Covid-19 será colocado no fim da fila da vacinação. A determinação começou a valer na quinta-feira (15).

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, se o morador recusar tomar a vacina por causa do fabricante, ele assinará um termo de responsabilidade e só será imunizado após as primeiras doses serem aplicadas nos jovens com mais de 18 anos.

"Observamos que muitas pessoas vão para a fila, quando chega na hora de tomar a vacina, pergunta 'que vacina é essa?', e quando descobrem a marca inventam uma desculpa, dizendo que tem um compromisso, e sai da fila. Fazemos um cadastro antes dela ir tomar o imunizante. Começamos a perceber que essas pessoas começaram a aparecer em filas do imunizante que queria", explicou a secretária de Saúde, Angélica Olchaneski.

Antes da publicação do decreto, a prefeitura publicou nas redes sociais uma última chamada para quem não se imunizou procurar o Centro de Eventos, onde acontece a vacinação. Como não houve interessados, o documento foi publicado.

A Secretaria de Saúde disse ainda que quem não quiser se imunizar, por qualquer motivo, também assinará um termo de responsabilidade.

"Assina esse termo, dizendo que não quer tomar a vacina e assume os riscos caso seja contaminada pelo novo coronavírus neste tempo. Ela poderia ser priorizada na campanha em razão da faixa etária. Isso é feito para ela ter ideia do quanto isso é perigoso e a importância de ser vacinado", detalhou a secretária.

Em Cornélio Procópio, a vacinação está interrompida por falta de doses, mas os reflexos da imunização já aparecem. A cidade, que até junho teve 600 casos ativos de Covid-19, até esta quinta-feira tem apenas 90. Mais de 70% da população com mais de 18 anos tomou pelo menos uma dose.

No Paraná, Nova Esperança, no noroeste e Laranjeiras do Sul, nos campos gerais, também adotaram medidas para levar o cidadão para o fim da fila em caso de negativa da vacina por causa da marca. De

Na Assembleia Legislativa e na Câmara de Vereadores de Curitiba tramitam projetos de lei sobre o tema.

Em Londrina, no norte do Paraná, quem perdeu a data disponível para a faixa etária pode se vacinar após o agendamento. A Secretaria Municipal de Saúde informou que não pensa em regra parecida, pois poucas pessoas se negam a tomar a dose disponível.

CN INSTITUCIONAL


Fonte: Redação CN Notícias, com informações do G1 PR