Notícias

Rapaz que doou o próprio casaco a sem-teto recebe oferta de emprego


Brasil Net

Adrian receberá treinamento e trabalhará com sistemas de informática

Foto: Adrian Silva Alves/Arquivo Pessoal
Adrian e Arlan

O bem realmente vai e volta! Adrian, que no último fim de semana tirou o próprio casaco e doou a um morador em situação de rua em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul acaba de receber uma oferta de emprego.

Adrian Silva Alves, tem 17 anos e foi convidado pelo leiloeiro Gustavo Corrêa para trabalhar. Ele ofereceu também uma oportunidade de qualificação ao jovem.

“Eu fiquei sensibilizado, as empresas precisam de gente de confiança e vejo isso nele. Esse rapaz só precisa de oportunidade e nessa área que trabalho, precisamos formar pessoas para um mercado que é bem especializado”, disse Gustavo.

Nesta quinta-feira, 11, o pai de Adrian, que é guarda municipal, vai acompanhou o filho até o escritório para acertar os detalhes da contratação.

De acordo com o leiloeiro, Adrian receberá treinamento e trabalhará com sistemas de informática, área em que ele tem conhecimento.

O jovem cumprirá jornada de modo que possa conciliar com os estudos e receberá salário fixo com carteira assinada.

Adrian revelou que não falta ao curso porque quer qualificar-se para conseguir um emprego e ajudar a família:

“Eu já entreguei uns currículos, mas é complicado porque as pessoas acham que jovem não consegue desenvolver algo. Os jovens são o futuro, têm muito a oferecer”, declara.

De família humilde, Adrian tirou uma foto com o homem a quem doou o casaco apenas para justificar a mãe porque voltaria para casa sem a blusa, que costumava dividir com ela.

Aquele era o único casaco pesado que o jovem possuía – os outros três são agasalhos finos que ele usava sobrepostos para enfrentar o frio intenso e chegar até o curso técnico na manhã mais gelada do ano em MS.

“Ele sempre teve bom coração”, diz mãe

“Eu tenho pouco, mas ele não tinha nada”, disse o rapaz, emocionado, ao MSTV 1° Edição da TV Morena.

A família mora no bairro Los Angeles, na capital. Na casa vivem os pais do estudante e uma irmã. O pai de Adrian é guarda municipal e conta que sempre incentivou os filhos a ajudarem:

“O pouco que a gente tem dá sempre para dividir com alguém, sempre tem alguém que está precisando mais que você.”

A mãe do menino conta que ele sempre teve bom coração:

“Desde pequenininho ele sempre foi assim. Acho que a pessoa já nasce. Não adianta eu falar para vocês que ensinei, porque o mérito não é só meu, eu acho que ele já nasceu. As pessoas que cercaram ele sempre foram boas e ele aprendeu isso”.

Ao relembrar o momento, Adrian fica emocionado:

“Eu tenho pouco mas ele não tinha nada e isso tocou dentro de mim, sabe? Antes ele ter um pouco junto comigo, do que eu ter um pouco e ele não ter nada. Às vezes a gente pode fazer uma coisa pelo próximo e a gente não faz, a gente só olha. Uma coisa que eu aprendi muito legal é que um ‘bom dia’ muda a vida de uma pessoa e são gestos assim que o mundo precisa”, declara.

Arlan, o morador de rua, é de poucas palavras e não quis ser fotografado pela reportagem, mas afirma ter ficado agradecido com o gesto do adolescente.

“Se eu pudesse ajudar alguém, também ajudaria”, diz. Ele conta que havia passado a noite no Centro da capital sul-mato-grossense e no início da manhã seguiu para o bairro, onde o estudante encontrou-o.

 


Fonte: *Redação Cornélio Notícias, com informações do G1
Novidades Faccrei



Comente utilizando seu facebook