Notícias

Idosa é enganada por supostos profissionais de controle de pragas


Brasil Net

Usando coletes azuis, os estelionatários ofereciam serviço de dedetização, mas na realidade se tratava de um engenhoso golpe

Foto: Ilustrativa
A idosa acabou pagando R$700,00 em um serviço que seria de apenas R$80,00

Uma senhora de 71 anos de idade foi enganada na manhã de terça-feira (7), na cidade de Leópolis (19 Km de Cornélio Procópio), ao aceitar o serviço de dedetização de sua residência, oferecida por dois homens que se apresentaram como profissionais de controle de pragas da empresa LIMAX, inclusive com coletes azuis, semelhantes aos usados por trabalhadores que desenvolvem este tipo de atividade.
De acordo com a senhora, que procurou a Polícia Militar para registrar o caso, por volta das 11 horas, os supostos agentes surgiram em sua casa oferecendo serviços de dedetização e sanitização, informando que o custo seria de oitenta reais, já com o frasco do produto incluso.
Em razão do baixo custo ela disse que logo concordou e assim os dois elementos passaram a realizar o serviço, porém ao finalizarem o trabalho pouco tempo depois, os tais profissionais afirmaram que utilizaram 10 frascos do produto, elevando o custo do serviço para R$700, 00, ou seja, quase 10 vezes a mais que o ofertado.
Acontece que em momento algum, segundo a senhora, foi lhe informado sobre o produto a mais que seria usado, muito menos lhe apresentando os frascos vazios utilizados na dedetização e pior, ela notou que o trabalho foi feito em apenas alguns cômodos da casa.
Induzida a realizar o pagamento dividido em três vezes no cartão de crédito, a senhora foi praticamente obrigada a efetuar a operação, sendo que logo os elementos deixaram a casa, seguindo rumo ignorado, informou ela.
Cabe salientar que tais supostos profissionais em nenhum momento apresentaram autorização das autoridades sanitárias locais para realizarem o serviço na cidade e claramente usaram deste para obterem vantagem ilícita em prejuízo da senhora, uma vez que a induziram ou a mantiveram em erro, lhe causando prejuízo, com uso de meio ardil ou artimanha, esclareceu a PM.
Diante do exposto, lavrou-se o Boletim de Ocorrência para os procedimentos cabíveis, assim como foram realizadas diligências, mas sem êxito em localizar os noticiados até o momento, informou a PM.

 

FACCREI - VESTIBULAR


Fonte: Redação Cornélio Notícias, com informações do Setor de Comunicação Social da Polícia Militar
CN INSTITUCIONAL